Do caminhar às memórias do espaço

 De 05 de abril a 12 de maio 2019 - Centro Cultural da UFMG

Cartaz.jpeg

PARTICIPANTES: 

Camila Versiani

Igor Isoni

Julia Abdalla

Wander Rocha

Um grupo de jovens gravadores foi reunido em torno de um tema:  a cidade. Por especulações diversas, esses artistas alinhavaram esta  mostra por interpretações muito sensíveis do assunto, tratado aqui numa ramificação muito dinâmica. Ao mesmo tempo, as técnicas da gravura em metal foram tratadas com competência, explorando as potencias expressivas de cada procedimento.

Camila Versiani escolheu a arquitetura em seu estado ruinoso para alinhavar um pensamento estético associado a própria finitude das coisas. Aqui, tal condição pode ser compreendida como uma renovação da vida, pela sobreposição de ações.  As técnicas de corrosão em água forte  e aquatinta são usadas como emulação da ação do tempo sobre o artifício humano.

Igor Isoni é um gravador pintor em como tal, transpõe para a gravura em metal o seu olhar formado por massas de luz, ocupa planos vazios com fragmentos de edifício, faz articular as imagens por diversos jogos de impressão. As imagens surgem em campos brancos como aparições em meio ao nevoeiro

Julia Abdala, procura associar a experiência soturna das aquatintas para construir sua poética. A artista se vale dos jogos de luz e sombras para narrar  os caminhos do olhar na cidade grande. É sobre a ambiência sombria e os meandros das ruas que versam as gravuras aqui apresentadas.

Wander Rocha faz uso gráfico declarado da floresta de postes e filos elétricos que caracteriza o espaço aéreo urbano, dos ritmos e emaranhados que constroem uma paisagem peculiar. Outro aspecto importante a salientar é a forma como o artista atribui valor simbólico a equipamentos urbanos, conferindo uma aura de objeto sagrado à certas situações, além de conferir um caráter épico aos atores das ruas.

                                                  George  Rembrandt Gutlich

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/21